(55) 3781-1711 contato@srsa.com.br

Importações de farinha de trigo crescem 15,74% até novembro de 2016

O maior fornecedor continuou sendo a Argentina, porém com crescimento de 14,38% nestes onze meses analisados.
Na avaliação da Consultoria Trigo & Farinhas, são quatro os fatores que contribuíram para esse resultado. Primeiro, porque a safra doméstica de trigo em grão acabou dois meses antes do início da safra nova e houve alguns atrasos de grãos importados, sendo que a maioria das farinhas veio da Argentina/Paraguai por via rodoviária.
Segundo, porque o trigo local era de menor qualidade. “A crise não afetou significativamente quem tem maior poder aquisitivo que continuou exigindo produtos de boa qualidade e a farinha se destinava à panificação, cujo mercado recuou menos”, afirma o analista sênior da T&F, Luiz Carlos Pacheco.
 
Influíram ainda os preços muito baixos das farinhas no mercado internacional (queda de aproximadamente 23,52%), bem como o Dólar norte-americano caindo 15% no ano, incentivando as importações.
De acordo com a T&F, o crescimento do Paraguai no fornecimento de farinhas, porém, foi bem maior: 88,96%, passando de 13.074,01 tons no período analisado para 24.705,59 tons no mesmo período de 2016. A importação de farinhas oriundas de trigo durum caiu levemente: -8,54%, passando de 20.651 toneladas no período de jan/nov de 2015 para 18.887,48 tons em 2016. A importação de outras origens também cresceu: 32,50%, passando de 3.452,86 tons no ano passado para 4.574,96 tons neste ano.
 
 
Fonte: http://www.agrolink.com.br/noticias/importacoes-de-farinha-de-trigo-crescem-15-74–ate-novembro-de-2016_367140.html / Agrolink / Autor: Leonardo Gottems

Contratações de crédito rural são impulsionadas pelo Moderfrota

Com o aquecimento da demanda por máquinas e implementos agrícolas, o programa Moderfrota foi o destaque no financiamento agropecuário, com contratações de R$ 3,5 bilhões, nos primeiros cinco meses do ano-safra 2016/2017. “Este valor é um indicativo da confiança dos agricultores em relação às atividades que desenvolvem no campo e às perspectivas de colher uma supersafra de grãos, estimada em 213,1 milhões de toneladas pela Conab”, diz o diretor de Crédito e Estudos Econômicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Wilson Vaz de Araújo.

Por causa do aumento da procura, o Ministério da Agricultura conseguiu com o Ministério da Fazenda aporte adicional de R$ 2,5 bilhões para o programa. Com isso, o valor total para o Moderfrota passará de R$ 5 bilhões para R$ 7,55 bilhões neste ano-safra.

Outros programas de investimento que tiveram aumento das contratações nesses primeiros cinco meses de execução do Plano Agrícola e Pecuária 2016/2017 foram o Pronamp e o Procap-Agro. As contratações do Pronamp passaram de R$ 461 milhões para R$ 993 milhões na comparação com igual período do ano passado. Já os contratos do Procap-Agro aumentaram 50%, alcançando R$ 1,1 bilhão.

No conjunto, os programas de investimento tiveram aumento de 12% em relação ao mesmo período da safra anterior, chegando a R$ 9,9 bilhões.

As contratações de crédito rural com recursos provenientes da emissão da Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) totalizaram R$ 7,7 bilhões, de junho a novembro deste ano, contra R$ 3,6 bilhões de igual período da safra anterior.

 

Fonte: http://www.portalmaquinasagricolas.com.br/contratacoes-de-credito-rural-sao-impulsionadas-pelo-moderfrota/ por 

Verão aumenta risco de estresse térmico nas vacas leiteiras

No Brasil, as temperaturas no verão se mantêm elevadas em todo o território nacional (acima de 20° C). Com o aumento da temperatura corporal, os bovinos apresentam sinais de que estão sofrendo com o calor, também conhecido como estresse térmico, explica o gerente de produtos para bovinos de leite da Cargill, Henrique Freitas.
 
De acordo com o especialista, no longo prazo, o estresse térmico pode impactar no desempenho reprodutivo, diminuindo a produção e a gordura presente no leite.
 
Segundo Freitas, o produtor pode adotar algumas medidas de manejo e nutrição que auxiliam no controle do estresse térmico. Entre as recomendações, o especialista destaca, por exemplo, cuidados com o fornecimento de água – que deve ser disponibilizada em quantidade e qualidade nas instalações.
 
Além disso, Freitas ressalta que é importante se preocupar em fornecer sombra de boa qualidade para os animais. O especialista pontua também que a ventilação e a aspersão de água são estratégias efetivas no resfriamento das vacas leiteiras.
 
Em relação à alimentação, Freitas salienta, ainda, que é aconselhável aumentar a sua frequência, fornecendo maior quantidade de alimento nas horas mais frescas do dia.
 
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/pecuaria/2016/12/15/verao-aumenta-risco-de-estresse-termico-nas-vacas-leiteiras.html / Por Uagro

Decreto regulamenta renegociação de dívidas de crédito rural

 O governo federal editou o Decreto 8.929/2016, que regulamenta a liquidação e a renegociação de dívidas de crédito rural previstas na Lei 13.340/2016. A regulamentação está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (12/12).
 
Entre outros pontos, a lei permite desconto de 95% para a quitação de dívidas de até R$ 15 mil em uma ou mais operações do mesmo mutuário quando contratadas até 31 de dezembro de 2006 para empreendimentos localizados nas regiões do Semiárido e do Norte do Estado do Espírito Santo e nos municípios do Norte do Estado de Minas Gerais, do Vale do Jequitinhonha e do Vale do Mucuri, e desconto de 85% para os demais municípios.
 
Fonte: http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Politica-e-negocios/noticia/2016/12/globo-rural-decreto-regulamenta-renegociacao-de-dividas-de-credito-rural.html Foto: Marcos Santos/USP Imagens / POR ESTADÃO CONTEÚDO

Safra de laranja deve alcançar 244 milhões de caixas

A safra de laranja 2016/17 do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro deve alcançar 244,20 milhões de caixas de 40,8 quilos, indica projeção do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), divulgada nesta segunda-feira (12).
 
O volume estimado está 0,6% menor do que o previsto na projeção inicial publicada em maio, que foi de 245,74 milhões de caixas. De acordo com o Fundecitrus, a revisão para uma safra menor deve-se à adequação do fator de correção (que calcula os desvios da safra) que foi atualizado.
 
Anteriormente, informa a entidade, o fator utilizado levava em consideração a média dos últimos dez anos, mas necessitou ser revisado para se adequar a realidade atual dos pomares, levando-se em consideração o manejo de HLB que vem alterando a configuração dos pomares com a eliminação de árvores doentes e substituição por mudas sadias, resultando na formação de subconjuntos de plantas mais novas com produtividade menor do que as do plantio original em um mesmo talhão.
 
O impacto desses subconjuntos é significativo na safra atual que teve baixa produtividade, visto que, as plantas mais jovens tiveram menor “pegamento” dos frutos.
 
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/agricultura/laranja/2016/12/13/safra-de-laranja-deve-alcancar-244-milhoes-de-caixas.html / Por Uagro