(55) 3781-1711 contato@srsa.com.br
Senar-RS promove seminário on-line `De onde virão os terneiros?’

Senar-RS promove seminário on-line `De onde virão os terneiros?’

Especialistas participam de seis painéis, que serão transmitidos pelo YouTube a partir do dia 17 de novembro
A eficiência reprodutiva do gado é uma preocupação de todo o pecuarista. O sucesso desse processo depende de fatores como nutrição, sanidade, genética, passando pela competência da mão de obra.

Foi para discutir maneiras de intensificar as etapas de cria e recria, incrementando a produção que, em 2012, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-RS) criou o seminário “De onde virão os terneiros?”. De lá para cá, o evento teve 22 etapas realizadas em 16 municípios gaúchos, atingindo um público de 6.378 pessoas – sendo considerado um dos principais eventos de pecuária de corte do Rio Grande do Sul.

A próxima etapa do seminário começa na próxima semana, com painéis online transmitidos pelo canal do Senar-RS no YouTube nos dias 17,18, 19, 23, 25 e 26 de novembro. O objetivo é oferecer aos pecuaristas subsídios e estratégias para aumentar a taxa de prenhez e reduzir o tempo de desmame e a idade para primeira reprodução das novilhas.

Mediados pelo médico-veterinário Pedro Faraco Rodrigues, técnico da Formação Profissional Rural do Senar-RS, os eventos terão a participação de zootecnistas, agrônomos e veterinários que abordarão temas como qualidade de forrageiras, controle de carrapatos e qualidade da carne. Um dos painéis contará ainda com a participação de pecuaristas, que apresentarão relatos de sucesso na produção de terneiros. O seminário também contará com a participação de nomes como Gedeão Pereira, presidente do Sistema Farsul, Eduardo Condorelli, superintendente do Senar-RS, e José Alcindo de Souza Ávila, superintendente da Casa Rural.

SEMINÁRIO `DE ONDE VIRÃO OS TERNEIROS?’
17,18, 19, 23, 25 e 26 de novembro, às 19h30
Canal do Senar no YouTube (www.youtube.com/SenarRioGrandedoSul)

CRONOGRAMA:

A necessária maior produtividade dos rodeios de cria
Quando – 17 de novembro, às 19h30
Objetivo – Situar os participantes sobre os indicadores zootécnicos do rebanho do RS, destacando as oportunidades e desafios da atividade e contextualizando com as demandas do mercado consumidor
Participantes – Gedeão Pereira, José Alcindo de Souza Ávila, José Fernando Piva Lobato, Antônio da Luz, Antônio Camardelli e Pedro Faraco Rodrigues

Sistemas forrageiros para rodeios de cria
Quando – 18 de novembro, às 19h30
Objetivos – Planejar o sistema forrageiro da propriedade visando melhoria do desempenho do rebanho de cria, de acordo com as realidades enfrentadas atualmente
Participantes – Cristiano Gotuzzo, Danilo Sant’anna, José Fernando Piva Lobato, Pedro Faraco Rodrigues

Cria e recria intensiva
Quando – 19 de novembro, às 19h30
Objetivos – Estratégias para intensificar as etapas de cria e recria, visando verticalização da produção, redução da idade ao primeiro parto, intervalo entre partos e maior produtividade por hectare

Participantes – Alexandre Motta de Souza, José Fernando Piva Lobato, Luciana Potter, Ricardo Vaz e Pedro Faraco Rodrigues

Pecuaristas produzindo mais e melhores terneiros
Quando – 23 de novembro, às 19h30
Objetivos – Relato de produtores-destaque em produção de terneiros, com apresentação dos seus sistemas de produção e resultados
Participantes – Douglas Rebelo, Fernando Almeida, José Fernando Piva Lobato, Pedro Faraco Rodrigues e Ronaldo Cantão

DEPs e genômica: controle do carrapato e qualidade da carne
Quando – 25 de novembro, às 19h30
Objetivos – O impacto da utilização das ferramentas de melhoramento genético animal visando controle de carrapato e qualidade da carne
Participantes – Fernando Flores Cardoso, José Fernando Piva Lobato, José Reck, Lúcia Galvão de Albuquerque e Pedro Faraco Rodrigues

Carcaças e cortes de qualidade
Quando – 26 de novembro, às 19h30
Objetivos – Discutir os processos de produção de carne de qualidade e os mercados que pode se atingir
Participantes – Eduardo Condorelli, Fernando Costabeber, José Fernando Piva Lobato, Leonir Pascoal, Luiz Roberto Saalfeld e Pedro Faraco Rodrigues

Senar-RS promove live sobre qualidade da carne bovina nesta terça

Senar-RS promove live sobre qualidade da carne bovina nesta terça

Especialistas discutem os impactos da orientação técnica na qualidade do produto
Oferecer um produto de qualidade é o desejo de todo o pecuarista. Mas até que a carne chegue ao balcão frigorífico de supermercados e açougues, é preciso adotar uma série de boas práticas e cumprir exigências técnicas que viabilizem seu objetivo.

Além de preocupar-se com a genética, dos primeiros dias de vida do gado até o seu abate o produtor terá de administrar questões como ganho de peso e sanidade, por exemplo. Por isso a orientação técnica torna-se vital para garantir a qualidade da carne.

E esse será o tema da live que o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-RS) realizará na próxima terça-feira (3): Os impactos da orientação técnica na qualidade da carne.

Pedro Faraco Rodrigues, técnico da Formação Profissional Rural do Senar-RS, será o medidador do evento que ainda terá a participação da pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul, Bruna Sollero; do zootecnista, veterinário e professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Leonir Pascoal; do médico veterinário Rafael Renner, da Doble Erre Assessoria; e de Rodrigo Azambuja, médico veterinário da Unitec.

A live sobre qualidade da carne será exibida na terça, a partir das 19h30, no canal do Senar no YouTube.

Farsul recebe visita de representante da Embaixada da Tunísia

Farsul recebe visita de representante da Embaixada da Tunísia

Encontro serviu para discutir troca de experiência e parceria

– Gerson Raugust / Divulgação Sistema Farsul

O presidente do Sistema Farsul, Gedeão Pereira, recebeu a visita do Conselheiro e representante de assuntos comerciais da Embaixada da Tunísia, Sr. Amine Sayeb. O economista-chefe da Farsul, Antônio da Luz, também esteve presente.

Entre os assuntos discutidos no encontro estava a possibilidade de negócios entre o Rio Grande do Sul e o país, além da troca de experiências em culturas como do trigo e oliveiras.

Custos de Produção mantêm o movimento de alta em setembro

Custos de Produção mantêm o movimento de alta em setembro

IICP aponta aumento de 7,36% no último mês

O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) mantém o movimento de alta em setembro, mesmo com uma redução na taxa de câmbio durante o último mês. O indicador registrou elevação de 1,48% em relação a agosto. O principal motivo foi o aumento de tributos de comercialização. No acumulado do ano, o IICP chegou a 7,36% em sete meses, bem acima do IPCA que ficou em 1,34% no mesmo período. Os dados foram divulgados pela Farsul nesta quarta-feira (21/10).
O resultado até setembro é influenciado pela valorização média da taxa cambial que impacta diretamente no custo dos insumos, em sua maioria importados. O resultado só não foi maior em razão da queda no preço do petróleo no primeiro trimestre do ano. No acumulado em 12 meses, o IIPC chegou a 7,67%, contra 3,14% do IPCA. Como a tendência é de que o preço do petróleo siga a trajetória de valorização e a taxa cambial continue alta, os produtores devem ficar atentos aos custos da safra que se inicia, que devem manter movimento de aceleração.
Os preços recebidos pelos produtores também mantêm a sequência de aumento. O índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores Rurais (IIPR) em setembro aumentou 14,81% em relação ao mês anterior. O resultado é consequência da alta taxa cambial, somada a menor oferta e aquecimento de demanda interna de alimentos.
No acumulado em 12 meses, o crescimento do IIPR segue em uma aceleração bem acima do IPCA Alimentos, ficando em 78,84% e 11,79%, respectivamente. Reflexo da variação cambial em patamares históricos que contribuiu na valorização dos produtos agrícolas do primeiro. Já a baixa atividade econômica afeta muitos dos produtos que compõe a cesta do segundo.

Confira o relatório na íntegra.

Produtores poderão utilizar seus estoques de Paraquate na safra 2020/2021

Produtores poderão utilizar seus estoques de Paraquate na safra 2020/2021

Medida da Anvisa já foi publicada no Diário Oficial

Quinta-feira , 08 de Outubro de 2020 11:05

Foi publicada no Diário Oficial, nesta quinta-feira (8/10), Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) nº 428, da Anvisa, que autoriza a prorrogação do prazo para uso dos estoques remanescentes de produtos a base da molécula Paraquate em posse dos agricultores para a safra 2020/2021. A decisão atende a uma solicitação feita pela CNA e demais entidades do setor e da Frente Parlamentar Agropecuária.
A Resolução altera a RDC 177/2017 e traz a definição dos novos prazos para a utilização dos estoques na safra 2020/2021. As datas levam em consideração os calendários regionais de cada uma das culturas que possuem registro de utilização do ingrediente ativo.
As lavouras da região sul que podem utilizar produtos a base de Paraquate e as datas limites são: maçã (31 de outubro de 2020); cana de açúcar (30 de abril de 2021); soja (31 de maio de 2021); algodão (28 de fevereiro de 2021); feijão, milho, batata e citrus (31 de março); café (31 de julho de 2021).
Outra mudança diz respeito ao recolhimento dos estoques dos produtos em embalagens de volume igual ou superior a cinco litros. As empresas titulares do registro desses produtos deverão recolher os estoques existentes em poder dos agricultores até 30 dias após o fim do prazo final estipulado.
A Comissão do Meio Ambiente da Farsul destaca que o banimento do ingrediente não foi suspensa, sendo assim, a industrialização e comercialização seguem proibidas.

Portaria autoriza uso de áreas convertidas do Bioma Pampa

Portaria autoriza uso de áreas convertidas do Bioma Pampa

Foi publicada, no Diário Oficial do Estado, edição de 8 de outubro de 2020 (quinta-feira), a Portaria Conjunta Sema-Fepam nº 28/2020, que estabelece os procedimentos administrativos para a autorização de uso de áreas convertidas em imóveis rurais no Bioma Pampa. A medida é válida para os locais onde houve manejo de vegetação nativa, após 22 de julho de 2008, sem autorização do órgão ambiental.
A solicitação deverá ser feita por meio do Sistema Online de Licenciamento (SOL), no ramo de atividade 10740,00 – Supressão de Vegetação Nativa no Bioma Pampa para Uso Alternativo do Solo em Zona Rural. Para dar encaminhamento à solicitação, é necessário que o imóvel rural esteja inscrito no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e sua declaração atenda os dispositivos dos artigos 12 e 15 do Código Florestal Federal (Lei Federal nº 12.651/2012). Quando necessário, o produtor ou possuidor do imóvel deverá aderir ao Programa de Regularização Ambiental.
Na inscrição do CAR deverão ser declaradas, minimamente, as classes de cobertura do solo baseados na realidade da área preexistente antes de 22 de julho de 2008 e os recursos hídricos de acordo com as bases cartográficas oficiais. Atendidos os dispositivos, o produtor receberá a Autorização para Uso de Área Convertida. No caso de existência de danos em Áreas de Preservação Permanente (APP) e Reservas Legais (RL) ocorridos após 22 de julho de 2008, deverá ser apresentado projeto de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), também por meio do SOL.
A Comissão do Meio Ambiente da Farsul lembra aos produtores que a autorização não isenta das medidas administrativas e penalidades previstas em lei. A Federação também destaca que a Portaria tem validade de 24 meses.

Fonte: Imprensa Sistema Farsul

Olá! Clique em um dos nossos representantes abaixo para ter atendimento online.

Atendimento Online pelo WhatsApp