(55) 3781-1711 contato@srsa.com.br

Agropecuária encerra 2017 com saldo positivo na geração de empregos

O setor agropecuário foi um dos destaques na geração de emprego formal em 2017. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), no último ano, o segmento criou 37.004 postos, revertendo a queda de 2016 (-14.193 vagas).
 
Agropecuária criou mais de 37 mil vagas de emprego formal em 2017
 
Com esses resultados, a agropecuária só não criou mais vagas que o setor do Comércio, que foi responsável pelo geração de 40.087 postos de trabalho formais no ano passado. Se considerado apenas os resultados de dezembro, a atividade do campo se destaca de forma negativa, quando foram fechados 44.339 postos.
 
Se analisados os resultados de todos os setores, o Caged destaca uma recuperação na geração de empregos no País. Isso porque, no acumulado dos últimos 12 meses, o mercado brasileiro indicou o fechamento de 20.832 vagas, uma redução de apenas 0,05% em relação ao estoque de dezembro de 2016. Com base nesse resultado, o Caged prevê um cenário mais otimista para a geração de empregos no País em 2018.
 
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/mercado-agricola/economia/2018/01/26/agropecuaria-encerra-2017-com-saldo-positivo-na-geracao-de-empregos.html / Por DATAGRO
Mapa e Embrapa buscam estratégias para reduzir emissão de gases na agropecuária

Mapa e Embrapa buscam estratégias para reduzir emissão de gases na agropecuária

Técnicos do ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Embrapa se reuniram com o objetivo de criar uma estratégia para reduzir as emissões de gases do efeito estufa (GEE). Segundo informou o Mapa, a estratégia terá a participação dos produtores brasileiros, e o plano deve ser concluído no primeiro semestre deste ano.
O plano para reduzir as emissões faz parte da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC), apresentada na 21ª Conferência das Partes (COP-21). As metas da NDC brasileira estabelecem a redução das emissões GEE em 37% abaixo dos níveis de 2005, com prazo até 2025, assim como a redução das emissões de gases em 43% abaixo dos níveis de 2005, com prazo até 2030.
“Este compromisso nos remete à elaboração de uma nova estratégia nacional para atendimento das metas’’, disse, em comunicado, Elvison Ramos, Coordenador de Agropecuária Conservacionista, Florestas Plantadas e Mudanças Climáticas do Mapa. “Mais uma vez as metas são ambiciosas, já que, em 2009, na COP-15, em Copenhague, em um papel protagonista, o governo brasileiro firmou o compromisso voluntário de redução de 36,1% e 38,9% das emissões GEE até 2020”.
No caso da agricultura, os compromissos assumidos em 2009 se referem às ações em que o potencial de mitigação das emissões sejam de 133 a 162 milhões toneladas de CO2 equivalentes. Avanços para o atendimento desta meta na agropecuária foram alcançados com a criação do Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas – decreto 7.390, de 2010, que ficou conhecido como Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) .
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/agricultura/2018/01/22/mapa-e-embrapa-buscam-estrategias-para-reduzir-emissao-de-gases-na-agropecuaria.html / Por DATAGRO