(55) 3781-1711 contato@srsa.com.br

Agricultores obtém maior volume de crédito em 2016/17

O montante de crédito rural ofertado pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) cresceu 3,4% na safra 2016/17 na comparação com a safra anterior. No total, a concessão de crédito chegou a R$ 22,7 bilhões.
 
 
Em julho, primeiro mês do ano da safra 2017/2018, os agricultores familiares contrataram R$ 2,058 bilhões do Pronaf. Os recursos foram distribuídos em 142.666 contratos. A análise do primeiro mês da safra mostra que o programa teve um crescimento de 8,38% no valor das operações, comparando julho de 2017 com julho de 2016. Desse total, R$ 1,4 bilhão foi para custeio e R$ 586 milhões para investimento rural.
O Pronaf financia projetos individuais e coletivos a juros mais baixos praticados no mercado, de 2,5% a 5,5% ao ano, para a produção de alimentos da cesta básica. Para participar, a renda bruta anual do agricultor familiar deve ser de até R$ 360 mil. O último Plano Safra foi lançado no dia 31 de maio. Para o financiamento da agricultura familiar, foram anunciados R$ 30 bilhões para os 12 meses a partir de 1º de julho de 2017.
 
 
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/politica-setorial/credito-rural/2017/08/28/agricultores-obtem-maior-volume-de-credito-em-2016-17.html / (Foto: MDA) / Por DATAGRO

Produtividade do milho pode chegar a 7 mil kg por hectare no RS

Na fase inicial de plantio, as estimativas são positivas para a produção de milho no Rio Grande do Sul. De acordo com a Emater-RS, a produtividade média esperada é de sete mil kg/ha, incluindo as áreas de milho irrigado e não irrigado. 
 
 
 
As chuvas da última semana impulsionaram o plantio nas áreas próximas ao rio Uruguai, no Norte e Noroeste do Estado. Nessa região, segundo relatos dos extensionistas do Escritório Regional de Santa Rosa da Emater/RS-Ascar, a área já semeada alcança cerca de 50 mil hectares.
 
Mesmo com boa produtividade, a área plantada deve ser menor nesta safra. Segundo a Emater, esse cenário é reflexo do baixo preço recebido pelos produtores do grão e a concorrência com a soja, que apresenta maior liquidez na venda e menor custo de produção por unidade de área em comparação com o milho.
 
 
 
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/agricultura/milho/2017/08/28/produtividade-do-milho-pode-chegar-a-7-mil-kg-por-hectare-no-rs.html / Por DATAGRO

Financiamento para agricultura vai mudar

O economista e ex-ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega, disse nesta quinta-feira (17) que o crédito endereçado ao financiamento agrícola vai mudar. Ao lado da presidente da Unica, Elizabeth Farina; do presidente da Monsanto no Brasil, Rodrigo Santos; e do especialista em agronegócio, Marcos Jank [que participou via teleconferência, já que reside no exterior]; Maílson participou no Insper, em São Paulo (SP), do lançamento da versão em língua portuguesa do livro “Economia e Organização da Agricultura Brasileira”, de autoria do professor da instituição, Fábio Chaddad [in memoriam]. 
 
 
 
Segundo o ex-ministro, o crédito rural oficial cederá terreno para os recursos advindos do mercado de capitais. No Brasil, de acordo com o ex-ministro, atualmente, apenas 12% dos recursos comumente aplicados no mercado de capitais estão em ativos e/ou são investidos no agronegócio. “Nos EUA, este percentual sobe para 50%.”
 
Maílson ressaltou que o Plano Safra do modo como é desenhado hoje está fadado a acabar.  “Uma política agrícola eficiente passa por redução de incertezas, como, por exemplo, o seguro rural.” De acordo com o ex-ministro, é preciso mudar a lógica de o agricultor ir atrás do crédito. Segundo ele, “se o agricultor estiver protegido, for viável, os bancos irão competir por ele, e não o contrário como é hoje”. 
 
 
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/politica-setorial/credito-rural/2017/08/18/financiamento-para-agricultura-vai-mudar.html / Por DATAGRO

Mercado de leite: excesso na oferta e queda nos preços

Os preços de referência do leite pago ao produtor entregue em agosto a ser pago em setembro devem registrar queda de 2% na comparação com o mês anterior. Para o leite acima do padrão o preço foi estimado em R$ 1,1966/litro. Para o leite padrão o valor foi de R$ 1,0405 e abaixo do padrão R$ 0,9459.
 
 
 
Os dados forma analisados e divulgados pelo Conselho Paritário Produtor/Indústrias de Leite do Estado de Santa Catarina (Conseleite/SC). Segundo o Conselho, o consumo interno fraco e as importações em alta são as responsáveis pela queda de preço.
 
A redução do preço do leite em todas as fases da cadeia produtiva nesta época do ano é absolutamente atípica. “É a primeira vez em dez ano que isso ocorre”, espanta-se Zimmer. O desemprego, a queda geral do poder aquisitivo da população e o excesso de importação – na avaliação do dirigente – são insuficientes para explicar a queda nos preços do leite que ocorrem desde maio. 
 
 
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/agroindustria/laticinios/2017/08/18/mercado-de-leite-excesso-na-oferta-e-queda-nos-precos.html / Por Uagro

Maggi anuncia mudanças na vacina contra febre aftosa

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, anunciou na última sexta (11) que vai retirar a saponina, um dos componentes presente na vacina contra febre aftosa. Além disso, as doses também serão reduzidas de 5ml para 2,5ml.  Segundo o ministro, a medida pode evitar a formação de abcessos após vacinação dos animais.
 
 
 
A discussão sobre a retirada da saponina se intensificou após o fechamento do mercado norte-americano à importação de carne de gado in natura, em razão da existência de abcessos, além de pedaços de osso encontrados na parte dianteira dos animais. 
 
“Não é uma questão de saúde humana, mas de apresentação. O Brasil é livre de aftosa com vacinação, o que significa que não podemos exportar para um país livre sem vacinação qualquer tipo de carne com osso”. Trata-se de medida preventiva, já que na hipótese de ocorrência da doença, o vírus poderia resistir nos ossos por meses.
 
Maggi disse que está “tudo sendo arrumado para voltar em breve ao mercado dos Estados Unidos” e que houve convite para uma inspeção veterinária de técnicos norte-americanos ao país, o que deverá acontecer até o fim deste mês.
 
 
 
Fonte: http://www.uagro.com.br/editorias/pecuaria/bovinos/2017/08/14/maggi-anuncia-mudancas-na-vacina-contra-febre-aftosa.html / Por Uagro